A nossa história se inicia por várias frentes que aconteceram em tempos próximos; ele foi idealizado pelo fundador Lucas L. Galvão, reunindo o máximo de pessoas que tivessem interesse em discutir e aprender sobre novas tecnologias, assim como fazer negócios.

Ele, Mestrando em Direito Europeu e Alemão pela UFRGS com pesquisa em Blockchain, sentindo grande necessidade em criar um grupo de estudos para abordar melhor sobre seu tema de dissertação, passou a trazer essa conversa com seus colegas, e percebendo que todos estavam com necessidade semelhante, e com estudos aproximados na área do Direito com as novas tecnologias.

Ainda, após participar do Curso de Extensão Bitcoin, Fintech e Blockchain, ministrado pela Edelweis, pela PUCRS no início de outubro de 2017, cujo grupo bem heterogêneo, entre programadores, curiosos, investidores, e vários outros caminhos do saber, rapidamente criou o grupo do Whatsapp “BitcoinPOA” [+link], e com objetivo de reunir todas aquelas pessoas interessantes para seguir discutindo o que fora debatido em sala de aula. Após, a conversa com os amigos mais próximos foi ampliando de tal maneira que uma ideia de institucionalizar melhor e reunir todas essas pessoas ganhou “corpo”, cuminando na ideia de um Centro de Negócios, Inovação e Direito; local para servir de referência em estudos e negócios, de forma descentralizada e interdisciplinar.

– Objetivos –

O Centro de Negócios, Inovação e Direito – CNID tem por objetivos:
• Interdisciplinariedade
• Networking
• Acadêmico
• Negocial

Estes quatro elementos são a base do nosso Centro, por meio da união de esforços, em colaboração entre todos, de forma científica e intensa em nossos atos, bem como em nossa estruturação (cooperativa), descentralizando a tomada de decisões. Assim, o nosso Centro compreende em dois grandes pilares: Acadêmico e Negocial, em forte busca para que ambos operem juntos, em grande esforço para que isso tudo represente os valores do nosso CNID.

Noutras palavras, buscamos estourar duas bolhas:
a) Bolha Acadêmica; não se tornando meramente um grupo de estudos, mas unindo a experiência do dia-a-dia nos negócios, e almejando ser um ponto de encontro para trocas, conversas e network de início de novas sociedades.
b) Bolha Jurídica; menos ainda estávamos interessados que fosse um grupo homogêneo judicial, assim, estamos em constante busca por outras relações, mais pessoas, novas visões, outros mercados.